Skip to content

Momento decisivo para o mercado de ações – 23/07/12 às 13h40

23/07/2012

O momento é decisivo para o mercado de ações. Não só no Brasil, como no exterior. Vários fatos têm indicado que a situação europeia se complica a cada dia, que a economia chinesa pode sofrer uma desaceleração acima da esperada e que os EUA irão manter seu crescimento econômico abaixo do necessário para sustentar o aumento do emprego no país – variável fundamental para recuperação de sua economia.

Já no Brasil, o país se vê na impossibilidade de imprimir uma dinâmica própria de crescimento econômico a partir de agora, como vinha fazendo há alguns anos por meio do foco no crescimento do consumo. Além disso, o crescimento brasileiro perdeu o impulso da demanda mundial por suas commodities minerais e metálicas.

Para que a situação seja resolvida a bom termo para o mercado de ações, seria necessário corrigir os problemas existentes em duas frentes: interna e externa.

Frente interna: apesar da excelente situação do emprego (que já começa a repercutir a crise) e nível de renda recentes da população, parece que o modelo de crescimento local perdeu sua capacidade de sustentar a economia ad eternum. O ciclo de crescimento mundial, baseado na demanda de commodities (em grande parte produzidas no Brasil) também apresenta limitações nesse momento de crise e desaceleração econômica.

O governo brasileiro vem praticando uma política econômica anti-cíclica, com forte redução na taxa de juros Selic e aumento de estímulos fiscais implementados recentemente, entre outras medidas. Nesse sentido, para que o país possa voltar a crescer sem acumular “desajustes”, seria necessário mudar o foco do modelo atual, voltando a se preocupar em criar condições para o aumento da poupança interna brasileira e recuperação da capacidade de investir para sair desse imbróglio, como afirmam alguns especialistas.

Frente externa: será que tudo pode ser resolvido por meio de afrouxamento das condições fiscais e monetárias na Europa – por meio de uma ação firme da União Europeia -,  ou através  da criação de novos estímulos econômicos na China e de novo afrouxamento quantitativo (QE3) nos EUA? É difícil imaginar que sim… Há problemas estruturais que não são passíveis de resolução por meio desse tipo de “remédio”.

O que se pode afirmar é que novos estímulos podem proporcionar alívio temporário às condições impostas pelos problemas enfrentados pelas economias de vários países. Assim, se os estímulos vierem a ser implementados, haverá uma resposta imediata e positiva dos mercados.

As bolsas costumam oscilar conforme visão de curto prazo; e a volatilidade é cada vez maior nos mercados. Portanto, seria temerário “entrar” em uma posição de ações, por exemplo, visando ao longo prazo. O investidor teria que possuir um “perfil de trader” para dar conta dessas oscilações de preços e não perder dinheiro.

Apesar de existirem várias ações muito “baratas” no Brasil – tanto do ponto de vista “absoluto”, quanto “relativo” -, elas podem ficar ainda mais baratas se a situação mundial não se resolver logo. Há um sentimento de urgência nesse sentido, porque os desajustes apresentados são cumulativos e se nada acontecer rapidamente pode ser que haja uma recaída mais forte da crise econômica mundial pós-2008.

Bons negócios!

Acesse também

http://www.investcerto.com.br

Siga a InvestCerto no Twitter

http://twitter.com/investcerto

Anúncios
Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: